15 de outubro de 2008

Maçãs Rossini


6 Maçãs (pode fazer com as variedades Reineta ou Golden)
6 paus de canela
6 colheres de sopa de mel
3 colheres de sopa de uvas passas
3 colheres de sopa de pinhões
Natas qb

Escolha 6 maçãs bonitas e sem imperfeições de casca. Prepare as maçãs retirando-lhes o caroço com um descaroçador de maçãs e lave-as em água corrente. Coloque-as molhadas num tabuleiro de ir ao forno e recheie cada uma com um pau de canela e algumas passas e pinhões. Regue-as com uma colher de sopa, bem cheia, de mel e espalhe por cima as passas e pinhões sobrantes.
Leve ao forno a 180ºC durante aproximadamente 40 minutos.

Sirva quente com duas ou três colheres de natas por cada maçã.


Bom para os dias frios que se aproximam. Aquece-nos o corpo e a alma.

8 de outubro de 2008

Antologia

"O Xeque saudita ultraconservador Muhammad al-Habadan, defensor de "um reforço das regras da modéstia", recomenda uma fatwa (édito religioso) para que as mulheres só mostrem um olho."

Dos OCS em 8.10.2008

Pato com laranja (Canard à l'orange)


1 pato de 2 kg arranjado
4 dentes de alho
Sal e pimenta em grão
4 laranjas grandes
1 limão
1 colher de sopa de açúcar
1 colher de sopa de vinagre
2 colheres de sopa de licor de tangerina
ou Cointreau
1 colher de sopa de maisena
Para enfeitar: Rodelas de laranja/Raminhos de agriões
1. Leve o alho, o sal e a pimenta ao almofariz e esmague até fazer uma papa. Esfregue bem o pato com a papa. Coloque o pato na assadeira e leve ao forno a 190°C, durante 30 minutos por cada 500 g de peso, regando e virando de vez em quando.
2. Retire a casca de 1 laranja evitando cortar a parte branca e corte-a em tirinhas (zestes). Esprema as laranjas e o limão.
3. Dissolva o açúcar com o vinagre numa caçarola e deixe ferver até fazer ponto de caramelo escuro. Junte o licor de tangerina, o sumo de laranja, o sumo de limão e ferva em lume brando durante 5 minutos.
4. Quando o pato estiver assado, retire-o do forno, trinche-o e coloque os pedaços na travessa. Mantenha quente.
5. Desengordure o molho que ficou do pato assado e adicione as tirinhas (zestes) e o molho de laranja. Desfaça a maisena num pouco de água, misture no molho e leve ao lume. Deixe levantar fervura e cozinhe durante 2-3 minutos, mexendo sempre. Rectifique os temperos.
6. Regue o pato com este molho e enfeite com as rodelas de laranja e os raminhos de agriões.
Pode acompanhar com arroz de miúdos de pato
Para o arroz de miúdos:
Limpar os miúdos e parti-los aos bocados. Temperar com sal e pimenta e cobrir de vinho branco. Reservar. Fazer um refogado puxado e acrescentar os miúdos escorridos. Depois dos miúdos guisados juntar o vinho da marinada e deixar apurar bem. Juntar o arroz e mexer bem para incorporar os aromas. Juntar água – duas medidas por cada de arroz – e corrigir os temperos.

7 de outubro de 2008

Antologia

"Já se disse tudo, mas como ninguém ouve, é sempre necessário recomeçar."

André Gide (1869-1951)

Antologia

"De amor e de poesia e de ter pátria
aqui se trata: que a ralé não passe
este limiar sagrado e não se atreva
a encher de ratos este espaço livre
onde se morre em dignidade humana
a dor de haver nascido em Portugal
sem mais remédio que trazê-lo n'alma"

Jorge de Sena (1919-1978)

5 de outubro de 2008

Entrevista a Eduardo Lourenço

"E qual é o maior dos desafios que enfrentamos?
O do mundo islâmico.
Maior do que o do mundo chinês?
Absolutamente. A China, embora seja essa nação-continente absolutamente extraordinária com os seus quatro mil anos de existência, imóvel mesmo quando evolui, a verdade é que soube ir apropriando-se dos meios que os europeus lhe levaram.
A China mantém a sua identidade incorporando o que as outras civilizações lhe levaram, o mundo islâmico parece recusar essas contribuições. Quase não se traduzem livros para árabe...
É verdade e isso resulta do que é hoje a cultura islâmica, que não foi sempre assim. Na Idade Média era uma grande cultura a que os europeus foram beber muito, pois tinham preservado o legado clássico da Antiguidade melhor do que na Europa. O problema é que depois ocorreu uma autoguetização, um corte, e não podíamos imaginar que ia ser o Islão a desafiar o processo de laicização acelerada das sociedades europeias. Recolocaram o religioso como uma dificuldade política. Não por a identidade das religiões enfrentar o Estado, mas por essa religião em concreto ser uma política. E o Islão sabe muito bem que a crença forte, integral e integrista das suas comunidades é uma força política. E até uma força estética. Algo que perdemos há muito."
in Publico, 5.10.08