2 de abril de 2009

Empadão de Perdiz



(Dá para duas formas redondas de 24cm)

6 Perdizes
7,5dl de Vinho do Porto seco
2,5dl de Vinho Branco seco
4 Chalotas
600g de Cogumelos laminados (boletos)
2dl de Azeite
1 Alho Francês
50g de aparas de presunto
3 Folhas de louro
3 Pés de Salsa
1 Colher de sopa de farinha
Sal e pimenta q.b.

2 Doses de massa quebrada

Para o recheio

48 Horas antes, limpar bem as Perdizes e esfregá-las com sal e pimenta moída. Pô-las a marinar nos vinhos de forma a que fiquem todas mergulhadas.

Escorrer bem as Perdizes e reservar a marinada.
Num tacho grande picar as chalotas e juntar ao azeite em lume médio. Juntar as perdizes escorridas e alourá-las no azeite regulando o lume para que as chalotas não queimem. Quando estiverem louras juntar a marinada, as aparas de presunto, os pés de salsa e o louro. Deixar cozer em lume brando e rectificar temperos. Quando as perdizes estiverem tenras retirar para um recipiente à parte e desossar reservando toda a carne limpa.
Juntar os cogumelos e o alho francês cortado aos pedaços ao molho restante. Deixar cozer em lume brando até apurar. Rectificar temperos, retirar as folhas de louro e engrossar o molho com a farinha após o que deve cozer 10 minutos em lume brando. Juntar a carne de Perdiz e envolver. Está pronto.

Massa Quebrada (dose)

300g de Farinha
150g de Manteiga derretida
3 Colheres de chá de açúcar
1 Ovo inteiro
1 Colher de café (mal cheia) de fermento royal.
Água morna
Sal q.b.

Peneire (misture) a farinha com o açúcar sobre a banca da cozinha. Faça um monte e no meio deste uma cova. Dentro dela deite o ovo inteiro e uma pitada de sal. Mexa ligeiramente em círculo (meta a mão). Junte a margarina levemente derretida e trabalhe a massa juntando um pouco de água morna para ajudar a ligar tudo. Faça uma bola, tape com um pano e deixe repousar durante 1 hora no frigorífico.
Estenda a massa com o rolo, aplique à tarteira e pique com um garfo.

10 comentários:

  1. Aposto que supera a do Gambrinus! ;)

    ResponderEliminar
  2. E eu, que recentemente comi os dois, confirmo - o do Gambrinus fica num brilhante 2º lugar.
    Fernando Ribeiro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O do Gambrinus é feito com massa folhada!

      Eliminar
    2. já todos sabíamos. opções!...

      Eliminar
  3. E que tal foi o Conde de Santar? Nunca fui muito fã dos vinhos da Casa de Santar, mas fiquei curioso quando vi que tinham lançado esse topo de gama.

    ResponderEliminar
  4. Vai muito bem com Perdiz. Mas eu sou suspeito... gosto de Dão e aprecio os vinhos da Casa de Santar, embora possa compreender que pessoas mais exigentes os considerem "fáceis".
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Bom dia,

    o vinho do porto seco a que se refere é o vinho doce normal?

    Obrigado

    ResponderEliminar
  6. Caro Carlos Silva

    Normalmente o que se bebe por casa é Porto Tawny doce. Os mais afortunados bebem uma reserva ou um Vintage. No caso, o que se pretende é que o tawny utilizado seja o menos doce possível. Por exemplo, a marca muito conhecida dos "Velhotes" da Calém é menos doce (meio seco) e não é caro. Não sendo purista e se tiver um Tawny normal em casa, não hesite. Fica bom na mesma.

    ResponderEliminar
  7. Em tempo...

    Se comprar um Porto Branco Seco ainda fica melhor. A oferta é grande e são excelentes aperitivos.

    ResponderEliminar

Sujeito a moderação de comentários.